Telefone: (62) 3233-0010 Email: stiueg@uol.com.br Contato Hino STIUEG

Leia..

Esporte e saneamento

Salve e compartilhe
13/01/2010
"A realização da Copa do Mundo e da Olimpíada no Brasil representa uma grande oportunidade de elevar os níveis de saneamento básico no país e ampliar a realização de negócios na área de tratamento sanitário"
Deixando de lado o ufanismo dos milhões de torcedores amantes do futebol e de dezenas de modalidades esportivas, a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016 são oportunidades únicas de proporcionarmos melhor qualidade de vida aos brasileiros. Embora a segurança pública, com frequência, tome a atenção e a preocupação da população, temos sérios problemas de infraestrutura, que deixam o país muito longe de figurar como uma nação desenvolvida.

Os investimentos serão grandes e, especialmente devido a Copa do Mundo, os benefícios podem ser ainda maiores, mesmo que baseados nas necessidades dos eventos. Entre os Estados sede, os contrastes são enormes: enquanto as regiões metropolitanas de São Paulo, Salvador, Brasília, por exemplo, possuem mais de 80% da população atendida por redes de saneamento, a cidade de Natal conta com 80% das moradias sem este serviço. Os dados foram levantados pela Fundação Getúlio Vargas para o Instituto Trata Brasil, que acredita que investimentos de R$ 7 bilhões seriam suficientes para universalizar o saneamento nas 12 cidades.

E mesmo na cidade do Rio de Janeiro, sede da Copa e da Olimpíada, existem significativas deficiências destes serviços, seja na Baixada Fluminense ou na Barra da Tijuca, que ainda precisam de investimentos nestas áreas. O dossiê de candidatura do Rio de Janeiro à sede olímpica prevê a aplicação de US$ 14,4 bilhões de recursos públicos e privados na estrutura do Comitê Organizador e para a infraestrutura dos Jogos. É importante ressaltarmos que saneamento traduz-se em água preservada, esgoto tratado, praias, rios e lagoas limpas e saúde humana e ambiental.

Na média, pouco mais de 50% dos brasileiros são atendidos por saneamento básico. Os impactos desta realidade afetam a vida das pessoas e a economia do País. A área de saúde é a que mais absorve os efeitos negativos desta deficiência estrutural. Os problemas causados pela falta de saneamento causam 22% mais óbitos em crianças de 0 a 6 anos do que naquelas com acesso a estes serviços. Entre os adultos, 12% das faltas ao trabalho têm relação com a insuficiência de saneamento.

A questão é preocupante e merece atenção dos órgãos públicos e privados. Embora a infraestrutura básica dependa de iniciativas governamentais, empresas e indústrias dos mais diversos setores e construtoras - neste caso, mais focadas no setor hoteleiro - têm neste momento a possibilidade de abrir novos caminhos nesse mercado, com medidas bastante significativas, ainda que individuais. Um exemplo é a instalação em empreendimentos imobiliários de estações compactas de tratamento de esgoto e reúso de água tratada, que ajudam a diminuir o consumo de recursos hídricos ou, no mínimo, contribuem para que o efluente tratado seja devolvido sem riscos à natureza, aquecendo o setor como um todo.

Esta é uma ótima oportunidade e agora é a hora de pensarmos o que queremos para o nosso presente e futuro.

Fonte: Jornal O Estado / Online

Destaques

Newsletter

Stiueg

O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas no Estado de Goiás (STIUEG) teve seu início no ano de 1949, com a criação da Associação dos Funcionários da CELG. O segundo passo importante dessa história foi dado com a extensão de base para a Associação dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas no Estado de Goiás...

Onde estamos

® STIUEG.ORG.BR
Rua R-2 nº 210 Setor Oeste
Goiânia - Goiás CEP: 74125-030
Telefone: (62) 3233-0010
Email: stiueg@uol.com.br

Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Supera Web X