Telefone: (62) 3233-0010 Email: stiueg@uol.com.br Contato Hino STIUEG

Leia..

63% dos trabalhadores demitidos podem deixar de receber seguro-desemprego - See

Salve e compartilhe
14/01/2015

O governo penalizará ao menos 63% dos trabalhadores demitidos, com as novas regras impostas pela medida provisória, que altera a carência para receber o benefício do seguro-desemprego de seis para 18 meses para quem tem menos de um ano de carteira assinada e pela primeira vez usará o benefício.  (confira matéria completa sobre retirada de direitos aqui).   De acordo com estudo divulgado pelo jornal Valor Econômico, copilado de Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), de janeiro a fevereiro de 2014, cerca de 10, 8 milhões dos demitidos (mais de 63%) possuía o perfil que será atingido pela nova medida.  

Apesar de o estudo ser uma estimativa, pois não abarca informações sobre se o trabalhador está sendo demitido pela primeira vez, releva a falta de compromisso do governo com os trabalhadores brasileiros, que esse ano de 2015 serão duplamente penalizados: primeiro  com as demissões e segundo com a retira de direitos.   O próprio governo reconhece baixas projeções de crescimento, que já se configura em aumento das demissões – a exemplo dos metalúrgicos do ABC – e tendem a se aprofundar no setor da indústria e serviço, sendo o segundo o que mais emprega, mas também o que possui maior rotatividade – reflexo dos baixos salários e condições precárias de trabalho.   Somado a isso, a falta de apoio financeiro quando se é demitido, advindo do seguro desemprego, e que com a nova medida deixará desamparado o trabalhador, só agrava o quadro já insatisfatório.   Outro fato que também deve-se  levar em conta é a faixa etária da pesquisa que revela o jovem sendo o principal afetado com as novas regras.  

Os mecanismos de ajustes de contas que atacam e retiram direitos dos trabalhadores servirão para engordar o caixa do governo para que continue privilegiando os bancos e as empresas. Será destinado majoritariamente para o pagamento da dívida pública que consome metade do orçamento e é destina aos banqueiros.   “No momento que aumentam as demissões no país, o governo retira do trabalhador o pouco de apoio que ele tinha nestes momentos que, todos sabem, é o mais difícil para um pai ou mãe de família. É essa a natureza da “correção das distorções” que o governo da presidenta Dilma está fazendo”, alerta o dirigente da CSP-Conlutas José Maria de Almeida em rede social. 

Fonte: Valor Econômico

Destaques

Newsletter

Stiueg

O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas no Estado de Goiás (STIUEG) teve seu início no ano de 1949, com a criação da Associação dos Funcionários da CELG. O segundo passo importante dessa história foi dado com a extensão de base para a Associação dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas no Estado de Goiás...

Onde estamos

® STIUEG.ORG.BR
Rua R-2 nº 210 Setor Oeste
Goiânia - Goiás CEP: 74125-030
Telefone: (62) 3233-0010
Email: stiueg@uol.com.br

Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Supera Web X