Telefone: (62) 3233-0010 Email: stiueg@uol.com.br Contato Hino STIUEG

Leia..

Indústria já paga menos pela energia

Salve e compartilhe
16/07/2015
O preço da energia no Brasil está em queda, pelo menos para as indústrias e grandes consumidores que negociam novos contratos de fornecimento de energia no longo prazo. Em menos de seis meses o valor médio da energia negociada em contratos plurianuais encolheu quase 25%, consequência da retração da economia brasileira, da queda do consumo e de melhor perspectiva em relação às chuvas.
 
Levantamento realizado pela empresa de informação e análise de risco Dcide, especializada no setor elétrico, aponta que o preço médio da energia para 2016 caiu de R$ 310/MWh em fevereiro para aproximadamente R$ 240/MWh. No caso de contratos de longo prazo, com fornecimento entre 2016 e 2019, a queda é menor, na casa de 10%, mas com tendência de aceleração, já que apenas na última semana houve retração de 3,7%.
 
"Vimos que, nas últimas 16 semanas, o preço para 2016 só não caiu em duas delas. Agora tivemos uma queda mais forte na última semana e é possível que o preço comece a mudar de patamar", afirma o diretor da Dcide, Henrique Leme Felizatti. Segundo ele, foi grande o desvio padrão dos dados da última pesquisa, por isso as próximas duas ou três semanas devem ser determinantes para que se identifique a existência ou não de um novo patamar de preços.
 
Por hora, as perspectivas sugerem um preço da energia mais baixo reflexo da queda da demanda dos grandes consumidores, categoria de empresas que negocia diretamente no mercado livre. Além disso o preço de liquidação das diferenças (PLD), balizador do custo de energia no mercado spot, também está em trajetória descendente.
 
"Nossas previsões para o PLD indicam redução nas próximas semanas e meses. E, para o ano que vem, há grande possibilidade de ficar mais baixo do que este ano. Ele pode chegar abaixo de R$ 150/MWh ou até próximo a R$ 100/MWh", afirma o gerente da área de Regulamentação, Capacitação e Preços da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), Rodrigo Sacchi.
 
O cenário fica mais favorável à medida que o consumo encolhe e as chuvas no inverno apresentam taxas mais elevadas do que aquelas previstas inicialmente. Na última sexta-feira, o Operador Nacional do Sistema (ONS) elétrico projetou que a afluência de julho na região Sudeste/Centro-Oeste, a mais importante do País em termos de capacidade de armazenamento, será equivalente a 117% da média histórica para o mês.
 
Contraste
Os números contrastam com o cenário de um ano atrás, quando consumidores com contratos de fornecimento prestes a vencer não encontravam oferta de energia no mercado. Diante da escassez, contratos com fornecimento para 2015 chegaram a ser negociados por mais de R$ 400/Mwh.
 
Essa situação começou a ser revertida no fim de 2014, quando o governo federal decidiu reduzir o valor teto do PLD de R$ 822 83/MWh para R$ 388,48/MWh. O preço da energia para 2015, então, passou a ser balizado por esse valor, e o custo da energia para contratos de curto prazo permaneceu próximo do limite estabelecido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).
Fonte: Agência Estado

Destaques

Newsletter

Stiueg

O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas no Estado de Goiás (STIUEG) teve seu início no ano de 1949, com a criação da Associação dos Funcionários da CELG. O segundo passo importante dessa história foi dado com a extensão de base para a Associação dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas no Estado de Goiás...

Onde estamos

® STIUEG.ORG.BR
Rua R-2 nº 210 Setor Oeste
Goiânia - Goiás CEP: 74125-030
Telefone: (62) 3233-0010
Email: stiueg@uol.com.br

Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Supera Web X